Como Ser Blogueira Profissional

27 Nov 2018 11:33
Tags

Back to list of posts

bigstock-social-network-communication-25539713.jpg

<h1>Como Fazer Relat&oacute;rio De Vendas: S&iacute;ntese E Confiabilidade</h1>

<p>As grandes editoras on-line t&ecirc;m um recado pros comerciantes: deixem de ter tanta f&eacute; na tecnologia e percebam que somos os &uacute;nicos em quem voc&ecirc;s conseguem confiar. Este pretexto contraria um dos princ&iacute;pios b&aacute;sicos da publicidade virtual. H&aacute; incont&aacute;veis anos, o setor publicit&aacute;rio vinha se apaixonando ainda mais dos leil&otilde;es program&aacute;ticos.</p>

<p>Os leil&otilde;es automatizados foram uma b&ecirc;n&ccedil;&atilde;o pras editoras pequenos, que incertamente chamavam a aten&ccedil;&atilde;o dos grandes anunciantes e muitas vezes n&atilde;o tinham os recursos para negociar contratos de publicidade sob propor&ccedil;&atilde;o com marcas nacionais. Eles tamb&eacute;m foram &oacute;timos para quem queria cometer fraudes. A vertiginosa dificuldade dos leil&otilde;es program&aacute;ticos possibilitou que impostores se escondessem entre os intermedi&aacute;rios e desviassem dinheiro do sistema. Isto era feito, em enorme cota, criando websites cujo tr&aacute;fego era principalmente rob&oacute;tico.</p>

<p>De acordo com uma busca praticada na corpora&ccedil;&atilde;o antifraude White Ops, onze por cento dos espectadores dos an&uacute;ncios exibidos em 2014 foram rob&ocirc;s. 6,tr&ecirc;s bilh&otilde;es aos anunciantes por esse ano. No in&iacute;cio dessa semana, a White Ops publicou outro relat&oacute;rio com uma observa&ccedil;&atilde;o do tr&aacute;fego internet de 32 grandes editoras on-line.</p>
<ul>
<li>Apostar nos “gadgets”</li>
<li>6 - Loja virtual de instrumentos colecion&aacute;veis</li>
<li>“Ah, por&eacute;m ele quebrou”</li>
<li>Capriche no Seo (otimiza&ccedil;&atilde;o para sites de buscas)</li>
<li>Envolva os Stakeholders</li>
<li>dois Um projeto atrativo</li>
<li>28/03/2012 &agrave;s 11:Cinquenta e nove</li>
</ul>

<p>O relat&oacute;rio mais recente da White Ops n&atilde;o &eacute; uma interpreta&ccedil;&atilde;o abrangente da atividade das editoras. Ele n&atilde;o incluiu aparelhos m&oacute;veis e n&atilde;o analisou conte&uacute;dos distribu&iacute;dos em outros websites, que, de acordo com a White Ops, costumam ter n&iacute;veis mais altos de tr&aacute;fego suspeito. A companhia falou que optou por n&atilde;o examinar esses tipos de tr&aacute;fego por raz&otilde;es pr&aacute;ticas. A Digital Content Next aproveitou os resultados para argumentar que os anunciantes que n&atilde;o queiram pagar para publicar pra rob&ocirc;s deveriam simplesmente fazer mais neg&oacute;cios com uma quantidade pequeno de publica&ccedil;&otilde;es de alto n&iacute;vel.</p>

<p>“A maioria das fraudes publicit&aacute;rias pode ser reduzida ao saber onde seus an&uacute;ncios ser&atilde;o exibidos”, comentou Jason Kint, CEO da organiza&ccedil;&atilde;o. H&aacute; ind&iacute;cios de que esse fundamento est&aacute; se firmando. Ao longo da Advertising Week, que est&aacute; acontecendo agora em Nova York, executivos de corpora&ccedil;&otilde;es de m&iacute;dia e publicidade disseram que est&atilde;o olhando um interesse maior nas chamadas transa&ccedil;&otilde;es privadas. Elas s&atilde;o um jeito de usar a mesma tecnologia dos leil&otilde;es automatizados em condi&ccedil;&otilde;es muito mais restritas. CBS, NBC, Conde Nast e Hearst estabeleceram esse tipo de transa&ccedil;&otilde;es nos &uacute;ltimos 2 anos, pra conceder que os anunciantes coloquem propagandas em numerosos pontos virtuais destas empresas.</p>

<p>Mobilizar os anunciantes a delimitar o n&uacute;mero de parceiros serve bem aos prop&oacute;sitos das grandes editoras, &eacute; claro. No fundo, isso &eacute; s&oacute; uma alega&ccedil;&atilde;o pra que os anunciantes deixem de ceder em t&atilde;o alto grau dinheiro aos sites pequenos que vendem propaganda mais barata nas transa&ccedil;&otilde;es abertas. Ian Schafer, CEO da ag&ecirc;ncia de publicidade Deep Focus, &eacute; c&eacute;tico em rela&ccedil;&atilde;o ao que ele descreveu como uma t&eacute;cnica de intimida&ccedil;&atilde;o para comprar uma vantagem a respeito da nova concorr&ecirc;ncia. “&Eacute; mais prov&aacute;vel que encontremos mais solu&ccedil;&otilde;es tecnol&oacute;gicas pra fraude do que ir a p&eacute; para como as coisas eram antes”, citou ele.</p>

<p>Mesmo que as transa&ccedil;&otilde;es privadas nunca superem as abertas, o setor publicit&aacute;rio virtual come&ccedil;ou a suprimir gastos depois de um ciclo de otimismo delirante em rela&ccedil;&atilde;o ao potencial da tecnologia para definir seus problemas. “Esses pontos positivos neste instante t&ecirc;m menos peso que os pontos negativos que deixamos que come&ccedil;assem a mostrar-se e a crescer”, argumentou Mike Zaneis, presidente e CEO da Trustworthy Accountability Group, um projeto antifraude da IAB. No come&ccedil;o, as transa&ccedil;&otilde;es program&aacute;ticas foram vistas como maneiras de ampliar a compet&ecirc;ncia do hesitante sistema de compra de propagandas. “Voc&ecirc; nunca as teria arquitetado deste jeito”.</p>

<p>Em uma experi&ecirc;ncia com a segmenta&ccedil;&atilde;o org&acirc;nica feita pelos profissionais da Social Media Examiner, descobriu-se que: as p&aacute;ginas menores desempenham mais do que p&aacute;ginas maiores. Todavia os resultados variam segundo o seu p&uacute;blico de neg&oacute;cios. H&aacute; tantos estudos sobre o melhor momento pra postar no Facebook! Um estudo reitera que possa ser em torno de 17:00 PM (de Seg - Qui).</p>

Comments: 0

Add a New Comment

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License